quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Novo Blogue

Continue a seguir-me em Economia do Lar. Obrigado pela compreensão.

domingo, 8 de março de 2009

Comemoração do Dia Internacional da Mulher

Hoje é o Dia Internacional da Mulher e nada melhor do que dar a palavra a um profundo admirador desse ser. Deixo-vos com este poema do Grande Camões.


" Quem vê, Senhora, claro e manifesto
o lindo ser de vossos olhos belos,
se não perder a vista só em vê-los,
já não paga o que deve a vosso gesto.

Este me parecia preço honesto;
mas eu, por de vantagem merecê-los,
dei mais a vida e alma por querê-los,
donde já me não fica mais de resto.

Assim que a vida e alma e esperança
e tudo quanto tenho, tudo é vosso,
e o proveito disso eu só o levo.

Porque é tamanha bem-aventurança
o dar-vos quanto tenho e quanto posso
que, quanto mais vos pago, mais vos devo."

Luís de Camões

A todas as mulheres um feliz dia.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Serão realmente Espertos?

Já faz algum tempo que não deixo aqui algumas palavras. Não é que a crise tenha acabado, ou por falta de assunto, mas por simples vontade de apenas observar. Mas eis que alguém me acordou deste meu estado.

Hoje qual não é o meu espanto ao ver que alguém me tinha deixado um comentário anónimo, com um link que eu não vou publicitar. Recusei o comentário, por não concordar com o conteúdo do dito blogue, que basicamente tem um único post a explicar um daqueles esquemas em que se manda 1 euro para x pessoas e estas acrescentam o nosso nome à lista e depois recebemos nós de y pessoas. É triste, já não chegavam os mails com essa propaganda, agora ainda tentam criar os seus esquemas com falsos blogues e falsos comentários.
Cada um sabe de si e eu nada tenho contra quem quiser entrar nesse tipo de esquemas, mas não me venham dizer que isso não vai acabar mal porque alguém vai ficar de mãos a abanar e depois... A vida realmente está para os espertos e cada vez vejo e recebo mais conteúdo do género pela net e mesmo pelo correio. As pessoas em vez de utilizarem a crise para procurar formas produtivas de alcançarem a sua segurança financeira, continuam a correr atrás de dinheiro fácil. Até podem conseguir uma boa quantia com esses esquemas, mas até quando, afinal a lei exige que se preste um serviço em troca do dinheiro e que se declare esse serviço às finanças.

Sejam criativos sim, mas façam-no de forma a acrescentar valor.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Carnaval e a Crise

Durante este período de três dias que é o Carnaval, ninguém quer saber da crise financeira. Eu próprio já aconselhei num post anterior a tirarem um dia e relaxarem, mal não faz e até pode trazer benefícios.

Mas este é um blogue sobre a crise e este Carnaval trás umas quantas pedras no sapato as quais passo a indicar:
- O nosso Governo levou a mal a brincadeira com o Magalhães - Deixem o povo divertir-se. É Carnaval, ninguém leva a mal.
- Os Reis e Rainhas do Carnaval saiem caros - O rendimento de um ano de um Zé Povinho, ganho por apenas algumas horas num desfile. Querem um conselho, se calhar não... mas cá vai, com tanta miúda gira por aí a querer mostrar os dotes de bailarina, é mesmo preciso pagar uns milhares de euros a um VIP qualquer!?

Mas deixemos as dores de cabeça para Quarta-Feira. A todos um bom Carnaval.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

BPN a Novela Continua

A novela BPN soma e segue. Ao que tudo indica, os ex-gestores do BPN, andaram a levantar avultadas somas de dinheiro aos balcões do dito banco para pagar a colaboradores. É o que se chama, meter a mão no bolso do Zé povinho.

Como se não bastasse, até o Banco de Portugal anda metido ao barulho devido às auditorias que fez ou devia ter feito. E andamos nisto, qual jogo de ténis, com tanta troca de acusação.
Aqui está uma novela que veio para durar e que só tem como rival a outra grande novela do momento, o caso "Freeport" é claro.

Resta-me terminar com uma afirmação de alguém que sabe o que diz, não só pelo estatuto, mas pelo facto de não estar atado a nenhum partido político, falo de Belmiro de Azevedo que disse o seguinte «se caíssem dois ou três Bancos não se notava».

E eu digo que o Povo é que paga a factura.